Capítulo Quinze: Emergindo da Terra

   

Nessa altura, os bodhisattvas e mahasattvas que se tinham reunido vindos das terras das outras direcções, numerosos como as areias de oito rios Ganges, colocaram-se no meio da grande assembleia, uniram as palmas das mãos, inclinaram-se em obediência e disseram ao Buddha: “Honrado Pelo Mundo, se nos permitires, na idade após o Buddha ter entrado em extinção, séria e diligentemente, proteger, ler, recitar copiar e oferecer esmolas a este sutra no mundo Saha, nós pregá-lo-emos largamente nesta terra!”

Nessa altura o Buddha disse aos bodhisattvas e mahasattvas: “Deixai, bons homens! Não há necessidade de vocês protegerem este sutra. Porquê? Porque neste meu mundo Saha existem bodhisattvas e mahasattvas numerosos como as areias de sessenta mil rios Ganges, e cada um destes bodhisattvas tem um séquito igual em número às areias de sessenta mil rios Ganges. Após eu ter entrado em extinção estas pessoas serão capazes de proteger, ler, recitar e largamente pregar este sutra.

Quando o Buddha disse estas palavras, a terra dos miriades países do mundo Saha estremeceu e abriu-se, e do seu seio emergiram no mesmo instante imensuráveis milhares, dezenas de milhares, milhões de bodhisattvas e mahasattvas. Os corpos destes bodhisattvas tinham um brilho de ouro, com os trinta e dois sinais distintivos e um imensurável brilho. Todos eles residiram previamente no mundo do espaço vazio sob mundo Saha. Mas quando estes bodhisattvas ouviram a voz do Buddha Shakyamuni emergiram desde baixo.

Cada um dos bodhisattvas era líder da sua grande assembleia, e trazia consigo um séquito igual às areias de cinquenta mil, quarenta, trinta, vinte ou dez mil rios Ganges. Ou um séquito de pelo menos as areias de um Ganges, meio Ganges ou um quarto de um rio Ganges, ou apenas uma parte em mil, dez mil, um milhão de nayutas de um rio Ganges. Alguns tinham um séquito de apenas mil dezenas de milhares de milhões de nayutas. Ou apenas dez mil milhões. Ou mil dezenas de milhar, cem dezenas de milhar ou apenas dez milhares. Ou apenas um milhar, uma centena ou uma dezena. Outros traziam consigo apenas cinco, quatro, três, dois ou um discípulo. Outros vinham sozinhos, preferindo levar a cabo práticas solitárias. Assim eram eles, imensuráveis, ilimitados, para lá de tudo o que possa ser conhecido através de cálculos, metáforas ou parábolas.

Após estes bodhisattvas terem emergido da terra, prosseguiu cada um até à maravilhosa torre de sete tesouros suspensa no céu onde se encontravam o Tathagata Muitos Tesouros e o Buddha Shakyamuni. Ao chegarem lá, voltaram-se para os dois Honrados Pelo Mundo, inclinaram as suas cabeças e prestaram obediência aos seus pés. Todos eles prestaram também obediência aos Buddhas sentados em tronos de leão sob as árvores de jóias. Então, circularam à sua volta para a direita três vezes, com as palmas das mãos unidas em sinal de respeito, utilizando os vários métodos dos bodhisattvas de prestar louvores, e então tomaram lugar a um lado, fitando alegremente os dois Honrados Pelo Mundo. Enquanto estes bodhisattvas e mahasattvas que tinham emergido da terra empregavam os vários métodos dos bodhisattvas para prestarem louvores, decorreu um intervalo de cinquenta pequenos kalpas.
Nessa altura o Buddha Shakyamuni permaneceu silencioso e os quatro tipos de crentes permaneceram também calados durante cinquenta pequenos kalpas, mas devido aos poderes transcendentais do Buddha, pareceu aos membros da grande assembleia ter decorrido apenas meio dia.

Nessa altura os quatro tipos de crentes, também devido aos poderes sobrenaturais do Buddha, viram estes bodhisattvas encherem o céu sobre imensuráveis centenas, milhares, dezenas de milhares, milhões de terras. Entre estes bodhisattvas havia quatro líderes. O primeiro chamava-se Práticas Superiores(Visishtakâritra), o segundo Práticas ilimitadas(Anantakâritra), o Terceiro Práticas Puras(Visuddhakâritra) e o quarto Práticas Firmemente Estabelecidas(Supratishthitakâritra). Estes quatro bodhisattvas eram os líderes máximos e mestres guias entre todo o grupo. Na presença da grande assembleia, cada um deles uniu as palmas das suas mãos, fitou o Buddha Shakyamuni e perguntou: “Honrado Pelo Mundo, as vossas maleitas são poucas, poucas as vossas preocupações, as vossas práticas prosseguem confortávelmente? Aqueles a quem vos propusestes salvar recebem prontamente a instrução? O esforço não faz com que o Honrado Pelo Mundo fique fatigado ou esgotado?

Nessa altura os quatro grandes bodhisattvas falaram em verso, dizendo:

Está o Honrado Pelo Mundo confortável,
com poucas doenças, poucas preocupações?
Ao pregar e converter os seres viventes,
podeis fazê-lo sem fadiga ou desgaste?
E os seres viventes, recebem a instrução prontamente ou não?
Isso não faz com que o Honrado Pelo Mundo fique fatigado ou esgotado?

Nessa altura, no meio da grande assembleia de bodhisattvas, o Honrado Pelo Mundo disse estas palavras: “Assim é, assim é, bons homens! O Tathagata está bem e satisfeito, com poucas maleitas e poucas preocupações.

Os seres viventes estão já convertidos e salvos e eu não estou fatigado nem esgotado. Porquê? Porque era após era no passado, os seres viventes receberam constantemente a minha instrução. Também ofereceram esmolas e prestaram reverência aos Buddhas do passado e plantaram várias boas raízes. Daí que quando estes seres viventes me vêem pela primeira vez e ouvem a minha pregação, todos a aceitam de imediato, entrando na sabedoria do Tathagata, com a excepção daqueles que anteriormente praticaram o Veículo Menor. E agora eu tornarei possível a estas pessoas ouvirem este sutra e entrarem na sabedoria do Buddha.”

Então os quatro grandes bodhisattvas falaram em verso dizendo:

Excelente, excelente, grande herói, Honrado Pelo Mundo!
Os seres viventes estão já convertidos e salvos.
Eles sabem como questionarem acerca da mais profunda sabedoria do Buddha, e tendo ouvido, acreditam e compreendem.
Estamos por conseguinte radiantes.

Nessa altura o Honrado Pelo Mundo louvou os grandes bodhisattvas que lideravam o grupo, dizendo: “Excelente, excelente, bons homens! Vós sabeis rejubilar em vossos corações pelo Tathagata.”

Nessa altura o bodhisattva Maitreya e a multidão de bodhisattvas iguais em número às areias de oito mil rios Ganges pensaram todos para si: “Nunca no passado nós vimos ou ouvimos qualquer referência acerca de uma multidão de bodhisattvas e mahasattvas tão grande como esta que emergiu da terra e agora se encontra perante o Honrado Pelo Mundo, juntando as palmas das suas mãos, oferecendo esmolas e perguntando como está o Tathagata!”

Nessa altura, o bodhisattva Maitreya, conhecendo os pensamentos que iam na mente dos bodhisattvas numerosos como as areias de oito mil rios Ganges e desejando ao mesmo tempo esclarecer as suas próprias dúvidas, uniu as palmas das suas mãos, voltou-se para o Buddha e colocou a sua pergunta em verso:

Imensuráveis milhares, dezenas de milhar, milhões,
uma grande multidão de bodhisattvas
tal como nunca se viu no passado –
rogo ao mais honrado dos seres humanos
que explique de onde é que eles vieram,
que causas e condições os reuniu!
Com um corpo enorme,
grandes poderes transcendentais,
de sabedoria inconcebível,
firmes de ideias e intenções,
com o poder da grande perseverança,
a visão da sua figura deleita os seres viventes –
de onde é que eles vieram?
Cada um destes bodhisattvas
trás consigo um séquito imensurável em número,
tal como as areias do Ganges.
Alguns destes grandes bodhisattvas
trazem consigo o equivalente às areias
de sessenta rios Ganges.
E esta grande multidão,
com uma só mente, procura a via do Buddhado.
Estes grandes mestres
iguais em número às areias de sessenta rios Ganges,
vieram em conjunto oferecer dádivas ao Buddha
e guardar e sustentar este sutra.
Mais numerosos são aqueles com tantos seguidores
como as areias de quarenta mil,
trinta mil, vinte mil, dez mil,
mil, cem, ou mesmo de um rio Ganges,
meio Ganges, um terço, um quarto,
ou apenas uma parte em dezenas de milhares de milhões,
mil, dez mil nayutas,
dez mil, um milhão de discípulos,
ou meio milhão –
esses são ainda mais numerosos.
Esses com um milhão ou dez mil seguidores,
mil ou cem, cinquenta, dez,
três, dois ou um,
ou esses que vêem sozinhos, sem seguidores,
deleitando-se na solidão,
todos vêem ter com o Buddha –
são ainda mais numerosos do que os acima descritos.
Se alguém tentasse usar um ábaco
para calcular o número desta grande multidão,
ainda que despendesse tantos kalpas quantas as areias do Ganges
nunca conheceria a soma total.
Esta multidão de bodhisattvas
com sua grande dignidade, virtude e diligência –
quem pregou a Lei para eles,
quem os ensinou e converteu e os trouxe até aqui?
Sob os auspícios de quem
conceberam eles pela primeira vez
o pensamento da iluminação,
que Lei Búddhica é que eles louvam e proclamam?
Que sutra é que eles abraçam e seguem,
que via Búddhica é que eles praticam?
Estes bodhisattvas possuem poderes transcendentais
e o poder da grande sabedoria.
A terra nas quatro direcções treme e abre-se
e eles emergiram todos do seu interior.
Honrado Pelo Mundo,
nunca no passado eu vi algo como isto!
Rogo-te que me digas de onde eles vieram,
o nome dessa terra.
Tenho peregrinado constantemente de terra em terra
mas nunca vi tal coisa.
Em toda esta multidão
não existe uma pessoa sequer que eu conheça.
Subitamente surgiram da terra –
rogo-te que expliques a causa.
Os membros desta grande assembleia,
imensuráveis centenas, milhares, milhões de bodhisattvas,
todos querem saber estas coisas.
Olhando as causas que governam
o princípio e o fim desta multidão de bodhisattvas,
possuidores de imensurável virtude,
Honrado Pelo Mundo,
rogamo-te que dissipes as dúvidas da assembleia!

Nessa altura, os Buddhas que eram emanações do Buddha Shakyamuni e tinham chegado de imensuráveis milhares, dezenas de milhar, milhões de terras nas outras direcções, estavam sentados com as pernas cruzadas em posição de lótus sentados em assentos de leão sob árvores de jóias nas oito direcções. Os assistentes destes Buddhas viram a grande multidão de bodhisattvas que tinham emergido da terra nas quatro direcções do universo e estavam suspensos no ar, e cada um disse ao seu respectivo Buddha: “Honrado Pelo Mundo, esta grande multidão de imensuráveis, ilimitados asamkhyas de bodhisattvas – de onde vieram eles?”

Nessa altura cada um dos Buddhas disse aos seus assistentes: “Bons homens, esperai um momento. Existe um bodhisattva e mahasattva de nome Maitreya que recebeu do Buddha Shakyamuni a profecia de que será o próximo a tornar-se um Buddha. Ele já perguntou acerca desta matéria e o Buddha está prestes a responder-lhe. Deveis aproveitar esta oportunidade para ouvir o que ele tem a dizer.”

Nessa altura o Buddha Shakyamuni disse ao bodhisattva Maitreya: “Excelente, excelente, Ajita, que tenhas questionado o Buddha acerca deste importante assunto.

Nessa altura, o Honrado Pelo Mundo, desejando expor uma vez mais o sentido das suas palavras, falou em verso, dizendo:

Sede diligentes e concentrados,
pois eu desejo explicar este assunto.
Não tenham dúvidas nem cuidados –
a sabedoria do Buddha é difícil de conceber.
Agora deveis recorrer ao poder da fé,
atendo-se à paciência e à bondade.

Uma Lei nunca ouvida no passado
ireis agora poder ouvir.
Agora eu vos trarei descanso e consolação –
não dêem guarida a dúvidas ou temores.
O Buddha não tem senão palavras verdadeiras,
a sua sabedoria é imensurável.
Esta suprema Lei por ele ganha
é muito profunda e não é passível de análise.
Ele irá agora expo-la –
devem ouvir com uma só mente.

Nessa altura, o Honrado Pelo Mundo, tendo falado estes versos, disse ao bodhisattva Maitreya: “Em relação a esta grande multidão eu vou agora dizer-te. Ajita, estes bodhisattvas e mahasattvas que em imensuráveis e incontáveis asamkhyas emergiram da terra e que tu nunca antes tinhas visto – quando eu atingi anuttara-samyak-sambodhi no mundo Saha, converti e guiei estes bodhisattvas, treinei as suas mentes e fiz com que desenvolvessem um anseio pela via. Estes bodhisattvas residiram todos no mundo do espaço vazio sob o mundo Saha. Eles leram, recitaram, compreenderam as várias escrituras, ponderando-as, fazendo distinções e mantendo-as em mente de forma correcta.

Ajita, estes bons homens não têm qualquer deleite em estarem na assembleia nem em se entregarem a muita conversa. O seu deleite é estarem constantemente num lugar socegado, esforçando-se diligentemente e sem descanso. Nem se demoram entre seres humanos ou celestiais, mas deleitam-se constantemente na profunda sabedoria, livres de todos os impedimentos. Deleitam-se constantemente na Lei dos Buddhas, perseguindo diligentemente e sem distracções a insuperável sabedoria.”

Nessa altura, o Honrado Pelo Mundo, desejando expor uma vez mais o sentido das suas palavras, falou em verso, dizendo:

Ajita, deves compreender isto.
Estes grandes bodhisattvas
durante incomparáveis kalpas
praticaram a sabedoria do Buddha.
Todos foram convertidos por mim;
eu fiz com que colocassem as suas mentes no grande caminho.

Estes são os meus filhos,
residem neste mundo,
levando a cabo constantemente práticas dhuta,
preferindo um lugar tranquilo,
rejeitando o desassossego e confusão da grande assembleia,
sem se deleitarem muita conversa.
Desta forma estes filhos
estudam e praticam a minha via e a minha Lei.
De modo a que, dia e noite,
com diligencia constante,
eles possam procurar a via do Buddhado
neste mundo Saha eles residem
na zona mais profunda do espaço vazio.
Firmes no poder da vontade e da concentração,
procurando a sabedoria com diligência constante,
eles expõem várias doutrinas maravilhosas
e as suas mentes não têem medo.
Quando eu estava na cidade de Gaya,
sentado sob a árvore bodhi,
alcancei a mais alta e correcta iluminação
e fiz girar a roda da Lei insuperável.
Então eu ensinei-os e converti-os,
fazendo-os pela primeira vez
colocar as suas mentes no caminho.
Agora todos eles se encontram no estado de não regressão
e todos a seu tempo conseguirão tornar-se Buddhas.
O que eu digo agora são palavras verdadeiras –
com uma só mente deveis acreditar nelas!
Sempre desde o remoto passado
eu estive ensinando e convertendo esta multidão.

Nessa altura o bodhisattva e mahasattva Maitreya, bem como os outros incontáveis bodhisattvas, sentiram aparecer em suas mentes dúvidas e perplexidades. Estavam confusos com esse facto que nunca tinha ocorrido antes e pensavam para si: Como pôde o Honrado Pelo Mundo, em tão curto espaço de tempo, ter ensinado e convertido este número imensurável, de ilimitadas asamkhyas de bodhisattvas permitindo-lhes alcançarem anuttara-samyak-sambodhi?

Então Maitreya disse ao Buddha: “Honrado Pelo Mundo, quando o Tathagata foi coroado príncipe, deixou o palácio dos Shakyas e sentou-se no lugar da prática, não longe da cidade de Gaya, e aí atingiu anuttara-samyak-sambodhi, apenas passaram quarenta anos desde então. Honrado Pelo Mundo, como em tão curto espaço de tempo pode realizar tanto trabalho enquanto Buddha? Foi através dos poderes do Buddha, ou através das bênçãos do Buddha que foi capaz de ensinar e converter um tal número imensurável de grandes bodhisattvas – uma pessoa podia despender mil, dez mil, um milhão de kalpas contando-os sem nunca ser capaz de chegar ao fim ou de descobrir o limite! Desde o remoto passado, na presença de imensuráveis, ilimitados números de Buddhas, eles devem ter plantado boas raízes, levado a cabo a via do bodhisattva, e se empenhado constantemente em práticas brahma. Honrado Pelo Mundo, é difícil para o mundo acreditar em tal coisa!

Suponha por exemplo que um jovem de vinte e cinco anos, compleição robusta e cabelo ainda preto, apontasse para alguém com cem anos de idade e dissesse, “Este é o meu filho!” ou que o de cem anos apontasse para o jovem e dissesse, “Este é o meu pai que me gerou e criou!” Isto seria difícil de acreditar, e é isto o que o Buddha diz.

“Na verdade, não passou muito tempo desde que alcanças-te a via. Mas esta grande multidão de bodhisattvas já se aplicou diligente e esforçadamente durante imensuráveis milhares, dezenas de milhares, milhões de kalpas em prol do caminho do Buddhado. Eles aprenderam a entrar, emergir e permanecer em imensuráveis centenas, milhares, dezenas de milhar, milhões de samadhis, adquiriram grandes poderes transcendentais, levaram a cabo praticas brahma durante um longo período, e conseguiram passo a passo praticar várias boas doutrinas, tornando-se versados em perguntas e respostas, um tesouro entre as pessoas, algo raramente conhecido em todos os mundos. E hoje, Honrado Pelo Mundo, tu dizes-nos que , no tempo que decorreu desde que atingistes o Buddhado, fizes-te com que estas pessoas aspirassem pela primeira vez à iluminação, as ensinas-te, convertes-te e guiás-te, dirigindo-as até annutara-samyak-sambodhi!

“Honrado Pelo Mundo, não foi há muito que atingiste o Buddhado, e ainda assim foste capaz de levar a cabo este feito tão meritório! Nós temos fé no Buddha, acreditando que ele prega em conformidade com o que é apropriado, que as palavras ditas pelo Buddha nunca são falsas e que a sabedoria do Buddha é, em todos os casos, penetrante e vasta. No entanto, no período após o Buddha ter entrado em extinção, se alguns bodhisattvas que tenham começado a aspirar à iluminação ouvirem estas palavras, irão possivelmente não acreditar nelas e rejeitá-las, sendo assim levados a incorrer no crime de rejeitar a Lei. Assim, Honrado Pelo Mundo, rogamo-te que expliques de modo a podermos dissipar as nossas dúvidas e assim, em eras futuras, quando bons homens ouçam esta matéria, não alimentem quaisquer dúvidas!

Nessa altura, o bodhisattva Maitreya, desejando expor uma vez mais o sentido das suas palavras, falou em verso, dizendo:

No passado o Buddha
deixou o clã Shakya,
abandonou a sua casa,
e perto de Gaya
sentou-se sob a árvore bodhi.
Pouco tempo passou desde então,
no entanto estes filhos de Buddha
são imensuráveis em número!
Durante muito tempo
eles praticaram já o caminho do Buddhado,
praticando poderes transcendentais
e o poder da sabedoria,
aprendendo habilmente a via do Bodhisattva,
impolutos pelas coisas mundanas
como a flor do lótus sobre a água.
Emergindo da terra,
todos demonstram uma mente reverente e respeitadora
perante o Honrado Pelo Mundo.
Isto é difícil de conceber –
como podemos acreditá-lo?
O Buddha atingiu a via
muito recentemente, ainda assim
aqueles a quem ele ajudou a obter sucesso são tantos!
Pedimo-te que dissipes as dúvidas da assembleia,
que estabeleças distinções
e expliques a verdade sobre esta matéria.
É como se um homem jovem
acabado de fazer vinte e cinco anos
apontasse um velho centenário
de cabelo branco e face enrugada e dissesse,
“Eu gerei-o!”
e o velho dissesse,
“Este é o meu pai!”

O pai jovem, o filho velho –
ninguém no mundo acreditaria nisto!
Honrado Pelo Mundo, o teu caso é similar.
Apenas recentemente alcançaste o Buddhado.
Estes bodhisattvas são de vontade firme.
de forma alguma tímidos ou imaturos.
Por imensuráveis kalpas
têm praticado a via do bodhisattva.
Eles são sagazes nas perguntas e respostas difíceis,
as suas mentes não conhecem o medo.
Eles cultivaram firmemente
uma mente perseverante,
recta em dignidade e virtude.
São louvados pelos Buddhas das dez direcções
Como capazes e peritos na pregação das distinções.
Eles não têm desejo de permanecer entre a multidão
mas constantemente preferem o estado de meditação,
e de modo a procurarem a via do Buddhado
têm residido no espaço sob a terra.
Isto nós ouvimos do Buddha
e não temos dúvidas a esse respeito.
Mas pelo bem das eras futuras
nós pedimos ao Buddha
que explique e torne compreensível.
Se em relação a este sutra
alguém levantar dúvidas e deixar de acreditar,
cairá de imediato nos caminhos malignos.
Assim pedimos-te que expliques.
Estes imensuráveis bodhisattvas –
como em tão pouco tempo os ensinaste
fazendo-os ter uma mente votada à iluminação
e chegarem ao estado de não regressão?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.