Capítulo Vinte e Seis: Dharani

Nessa altura o Bodhisattva Rei da Medicina levantou-se do seu lugar, descobriu o ombro direito, juntou as palmas das mãos e, fitando o Buddha, dirigiu-se a ele, dizendo, “Honrado Pelo Mundo, se existirem bons homens ou boas mulheres que aceitem e promovam o Sutra do Lótus, se o lerem e recitarem, penetrarem o seu significado ou copiarem os rolos do sutra, quanto mérito é que obterão?”

O Buddha disse a Rei da Medicina, “Se existirem bons homens ou boas mulheres que ofereçam esmolas a Buddhas iguais em número às areias de oitocentas dezenas de milhares de milhões de nayutas de rios Ganges, qual é a tua opinião? Os méritos por eles alcançados seriam seguramente muitos, não seriam?”

“Muitíssimos realmente, Honrado Pelo Mundo.”

O Buddha disse, “Se existirem bons homens ou boas mulheres que, em relação a este sutra, o aceitem e promovam, ainda que apenas quatro linhas de verso, se o lerem e recitarem, entenderem o seu princípio e o praticarem conforme o que o sutra diz, os seus benefícios serão muitos mais.”

Nessa altura o Bodhisattva Rei da Medicina disse ao Buddha, “Honrado Pelo Mundo, eu darei agora àqueles que pregam a Lei encantamentos dharani, que os guardarão e protegerão.” Então ele pronunciou estes encantamentos:

anye manye mane mamane chitte harite shame shamitavi
shante mukte muktatame same avashame sama same kshaye
akshaye akshine shante shame dharani alokabhashe-
pratyavekshani nivshte abhyantaranivishte atyantaparishuddhi
ukkule mukkule arade parade shukakashi asamasame
buddhavilokite dharmaparikshite samghanirghoshani
bhayabhayashodhani mantre mantrakshayate rute
rutakaushalye akshaye akshayavanataya abalo amanyanataya.

“Honrado Pelo Mundo, estes dharanis, estes encantamentos sobrenaturais, são pronunciados por Buddhas iguais em número às areias de sessenta e dois milhões de rios Ganges. Se alguém atacar ou ferir estes mestres da Lei, terá então atacado e ferido todos esses Buddhas!”

Nessa altura o Buddha Shakyamuni louvou o Bodhisattva Rei da Medicina, dizendo, “Excelente, excelente, Rei da Medicina! Tu dedicas a estes mestres da Lei os teus pensamentos compassivos e por isso pronuncias estes dharanis. Eles trarão grandes benefícios aos seres viventes.”

Nessa altura o Bodhisattva Dador Intrépido disse ao Buddha, “Honrado Pelo Mundo, também eu vou recitar dharanis para proteger e guardar aqueles que leiam, recitem, aceitem e promovam o Sutra do Lótus. Se um mestre da Lei adquirir estes dharanis, mesmo que yakshas, rakshasas, putanas, krityas, kumbhandas ou espíritos esfomeados o vigiem e tentem aproveitar-se dele, serão incapazes de o fazer.” Então em presença do Buddha ele recitou estes encantamentos:

jvale mahajvale ukke mukke ade adavati nritye nrityavati ittini
vittini chittini nrityani nrityakati

“Honrado Pelo Mundo, estes dharanis, estes encantamentos sobrenaturais, são pronunciados por Buddhas iguais em número às areias do Ganges. Se alguém atacar ou ferir estes mestres da Lei, terá então atacado e ferido todos esses Buddhas!”

Nessa altura o rei celestial Vaishravana, protector do mundo, disse ao Buddha, “Honrado Pelo Mundo, também eu penso com compaixão nos seres viventes e defendo e protejo estes mestres da Lei, por isso vou recitar estes dharanis.” Então ele recitou estes encantamentos:

atte natte nunatte anada nade kunadi

Honrado Pelo Mundo, com estes encantamentos sobrenaturais eu guardo e protejo os mestres da Lei. E guardarei também aqueles que promovam este sutra, garantindo que eles não sofram dano ou declínio numa área de cem yojanas.”

Nessa altura o rei celestial Defensor da Nação, que estava na assembleia com um séquito de milhares, dezenas de milhar, milhões de nayutas de gandharvas que o rodeavam e lhe prestavam reverência, avançou até ao lugar onde estava o Buddha, juntou as palmas das mãos e disse ao Buddha, Honrado Pelo Mundo, também eu empregarei dharanis, encantamentos sobrenaturais, para proteger e guardar aqueles que promovem o Sutra do Lótus.” Então recitou estes encantamentos:

agane gane gauri gandhari chandali matangi janguly vrusani
agashti

“Honrado Pelo Mundo, estes dharanis, estes encantamentos sobrenaturais, são recitados por quarenta e dois milhões de Buddhas. Se alguém atacar ou ferir os mestres da Lei, terá atacado e ferido todos estes Buddhas!”

Nessa altura estavam presentes as filhas dos demónios rakshasa, a primeira chamada Lamba, a segunda Vilamba, a terceira Dente Torto, a quarta Dente Florido, a quinta Dente Negro, a sexta Cabelo Abundante, a sétima Insaciável, a oitava Portadora do Colar, a nona Kunti e a décima Aquela que Rouba o Espírito Vital de Todos os Seres Vivos. Estas dez filhas de rakshasas, em conjunto com a Mãe da Criança Demónio, o seu filho e os seus seguidores, prosseguiram até ao local onde estava o Buddha e falaram-lhe em uníssono, dizendo, “Honrado Pelo Mundo, também nós desejamos proteger e guardar aqueles que lêem, recitam, aceitam, e promovem o Sutra do Lótus e o poupam de qualquer declínio ou deturpação. Se alguém espiar as acções destes mestres da Lei e tentar aproveitar-se deles, nós tornaremos impossíveis os seus propósitos.” Então, na presença do Buddha pronunciaram estes encantamentos:

itime itime itime atime itime nime nime nime nime nime ruhe
ruhe ruhe ruhe stahe stahe stahe stuhe shuhe

Ainda que passem sobre as nossas cabeças, nunca perturbarão os mestres da Lei! Quer sejam yakshas, pakshasas, espíritos esfomeados, putanas, krityas, vetadas, skandas(8), umarakas, apasmarakas, yakshas krityas ou humanas, ou uma febre, quer seja de um dia, de dois, três, quatro ou até sete dias, ou mesmo uma febre constante, seja na forma de um homem, de uma mulher, de um rapaz ou rapariga, ainda que apenas num sonho, nunca os perturbará!”

Então, na presença do Buddha elas falaram em verso, dizendo:

Se houver alguém que não preste atenção
aos nossos encantamentos
e perturbe e prejudique os pregadores da Lei,
as suas cabeças serão desfeitas em sete pedaços
como os ramos da árvore arjaka.
O seu crime será igual ao de alguém que mate pai e mãe,
ou de alguém que adultere o óleo
ou que engane os outros com medidas e escalas,
ou que, como Devadatta,
cause dissensões na Ordem de monges.
Se alguém cometer um crime contra os mestres da Lei
fará recair sobre si uma culpa igual a estas!”

Depois de terem recitado estes versos, as filhas de rakshasa disseram ao Buddha, “Honrado Pelo Mundo, nós usaremos os nossos próprios corpos para proteger e guardar aqueles que aceitam, lêem, recitam e praticam este sutra. Nós velaremos para que eles tenham paz e tranquilidade, livrando-os do declínio e do mal e anulando os efeitos de todas as ervas venenosas.”

O Buddha disse às filhas de rakshasas, “Excelente, excelente! Se vocês guardarem e protegerem aqueles que aceitam e promovem simplesmente o nome do Sutra do Lótus, o vosso mérito será imensurável. Quanto mais se defenderem e guardarem aqueles que o aceitam e promovem na integra, que oferecem esmolas aos rolos do sutra, flores, incenso em pó ou em pasta, colares, estandartes, dosséis, música, que queimam várias lamparinas, de manteiga, de óleo, de óleos fragrantes, de óleo da flor utpala, e que desta forma oferecem centenas de milhares de variedades de esmolas? Kunti, tu e os teus seguidores devem proteger e guardar estes mestres da Lei!”

Quando o Buddha pregou este capítulo sobre os Dharani, sessenta e duas mil pessoas alcançaram a verdade do não-nascimento.

One thought on “Capítulo Vinte e Seis: Dharani

  1. “Thanks for sharing superb informations. Your web-site is very cool. I’m impressed by the details that you have on this blog. It reveals how nicely you understand this subject. Bookmarked this website page, will come back for extra articles. You, my friend, ROCK! I found simply the information I already searched all over the place and simply could not come across. What a great website.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.